Quinta passada, dia 30 de abril, foi Valborgs day por aqui. Que é quando na falta do que se comemorar, se comemora a primavera -o que faz sentido se constatar o tesão que o pessoal aqui tem em, quanta candura, ver o sol. Esse dia é valborgbasicamente uma grande festa, a festa que acontece na cidade de Lund. Mas é claro que ela não se resume a essa pacata cidade, é algo que acontece por toda Suécia, Finlândia e Alemanha, com suas variações. Pelo menos por aqui duas coisas não podem faltar: bebida e fogueira. A cidade toda corre pro parque central (digamos uma Redenção da vida) de manhã mui cedo, a partir das sete da matina. Tive o prazer de presenciar uma roda de capoeira em pleno Valborgs. Os mestres eram brasileiros, já os… pupilos? Nordicossíssimos (do superlativo de nórdicos). Pelas tantas, improvisaram uma roda de samba. PRA QUÊ?! Pulei dentro certo. Até uma bonita me convidar gentilmente pra revesar com ela puxando meus cabelos… Digo que não dá pra ficar ensinando esses gringos a sambar e ninguém me escuta.

Enfim, todos sentam na grama, bebem e comem mais apertado que porto-alegrense no busão em dia de passe livre; ao longo do dia vão debandando pras festas que se organizam pela cidade. Como aqui é cidade universitária, existem cerca de quatro grandes complexos de moradia estudantil, cada um mais ou menos teve sua festa ao ar livre (pelas minhas contas acabaram cerca de 22h). Claro que as festas continuaram, mas depois de se acender as fogueiras  (mas eu, nemvi&nemverei, não cheguei a testemunhar tal ocorrência)…

Mais do mesmo no blogue da Almeidão.

Superestimado: corria a boca pequena que a System Bolaget estaria totalmente vazia já na segunda-feira, nem foi tão apertado assim.

Subestimado: que se pode perder seus pertences em meio a grama e pessoas altas, loiras e de olhos azuis.

Anúncios