You are currently browsing the monthly archive for abril 2009.

A Suécia é um país critão, de maioria protestante (chute mode on). Bem, o importante é que fui jantar com a família da Ebba. Família sueca, todos altos, loiros, de olhos azuis, naturalmente.

p4116108

Sentei na ponta sem pagar a conta!

O engraçado é que o menu era a la Rússia, a famosa sopa de coisas roxas chamada Borsch e umas panquecas que comeram com caviar e peixes crus. A sopa não é de todo mal, embora muita gente não goste; e, jesus, como caviar é BARATO aqui. E SALMÃO também. Gente, é quase mortandela. Ah, tudo com creme de leite.

Aqui existem 23 tipos de leite, 16 de iogurte, e 692 de queijo. Nunca tanta variedade inútil (pra quem não sabe ler as embalagens em sueco). Essas sessões no supermecados são gigantescas em comparação as nossas. Enfim, eu diria que cada receita demanda uma especialidade espécifica do variante do leite… Ah, acho que também gostam de geléia. NA COMIDA. Vejo muitos pratos de purê de batatas, almôndegas e… geléia. Passo longe. Então, recapitulando, derivados de leite, geléia, caviar, peixes que só o núcleo rico da novela das oito come; e batata. Todo mundo leu o Quincas Borba pro vestibular, né? Então, a massa do Ao Vencedor as Batatas acho que se aplicou aqui né?! Dá-lhe batata, dá-lhe IDH.

p4116102

Produção em massa

Voltando a Páscoa. De diferente? Não existe ovos de chocolate. Quer dizer, ter tem, mas não são populares. Assim pintamos ovos DE GALINHA, colocamos todos numa cesta e depois comemos, porque estavam cozidos. Ah, falando em galinácenos, aqui a galinha é símbolo pascoal também. O que até é lógico, não? Porque onde está o senso entre um ovo trazido por um COELHO, se coelho é mamífero e portanto gera suas crias em uma bolsa uterina, heim? É a Suécia na frente mais uma vez.

De curiosidade rápida, mas não fofoca porque DEUS ME LIVRE de fofoca: primeira vez que vejo uma família sueca reunida… super dóceis, super queridos uns com os outros, e as vezes ficavam EM SILÊNCIO juntos. Que coisa dignamente loira… Fico imaginando minha família em silêncio junto, nem em enterro; aliás, MUITO menos em enterro.

img_0320

Suecadinha tocando o terror

Isso foi na sexta, na quinta-feira antes da Páscoa, graças a seus misticismos que sabemos não possuir qualquer fundamento científico, as crianças são vestidas como bruxas e magos e levadas pro MUSEO da cidade pra brincar. O caso é que esse é o mais antigo museo a céu aberto do mundo. Sabe o Jardim da Paz, que diz que é “cemitério-parque” (linda expressão)? É tipo “museo-parque”. Passei lá aproveitando que nesse dia fica free a entrada lá.

Um milhão de suequinhos vestidos a caráter correndo de um lado pro outro com os pais ao redor. Bonito, bonito. Hm, parece que é pra representar as bruxas que antes da sexta-feira santa ficam a solta antes de se retirarem a um lugar chamado “Blue Rio” ou algo do tipo. Depois de sacudirem os esqueletinhos loiros por lá parece que é a parte em que elas saem atrás de doces, no caso se espera que os adultos dêem uma mãozinha, né? Sim, sim, super o que a gente entende por Dia das Bruxas…

Anúncios

Como já correu pela boca pequena, fiquei na Páscoa por essa Suécia de meu deus. Então criei um plano mirabolante e decidi executá-lo. Olhei bem fundo no espelho e disse a mim mesma: aprender-vou a andar de bicicleta. Por motivos traumático-infantis eu havia me convencido de que não precisava disso na minha vida. Até que o destino me colocou pra morar na cidade das bicicletas… não é fácil.

Enfim, olhei pra bici, ela olhou pra mim; rolou um química, ficamos. De começo deu certo, sabe? Me empolguei, achei que tinha encontrado uma razão de viver. Como diz a juventude, “me joguei”. Literalmente. Lomba, em curva e com cerca no sopé abaixo.

Eu estava sangrando de maneira sexy, no rosto. Isso foi na frente de uma casa de família. Lá de dentro me sai uma mulher, preocupada. Eu, mal e porcamente podendo pronunciar um “ok” com eficiência… ela se dá por satisfeita e volta a seus afazeres. Depois de levantar desse tombo que a vida me pregou, sacudi a poeira (havia muita).

Hoje, superados os acontecimentos, acho que amadureci, estou mais mulher. Amanhã vou ver se descolo uma bici pra chamar de minha, só minha, num leilão. A cidade é tão bicicletereira que parece que o município organiza leilões com as bicis órfãs e carentes. Estou me preparando pra xavecagem e azaração.

 

 

 

img_0023

Estacionamento da praça central de Lund fica de prova da adição da cidade por esse meio de transporte; quem sou eu pra ter opinião aqui?!

img_01371

Já que estamos na era da imagem, tomem fotos. Essa daí é dum parquinho aqui perto de casa (e como tem parque por aqui) e creio que o título suficientemente explicativo. Cabe acrescentar que final do inverno o que a prefeitura só parece fazer é cortar, cortar, cortar, cortar galhos secos.

800px-flag_of_christiania_svg2

Bandeira de Christiania

Christiania é uma região autônoma dentro de Copenhage. Do tamanha de uma vizinhança, ou bairro, mas com uma certa independência política em relação a cidade. Reza a lenda que todas as decisões referentes a ela são tomadas pelos membros em reuniões democráticas. No pórtico de entrada está escrito: “você não está na União Européia”, mesmo assim Christiania paga imposto pro município.

Tudo começou no começo dos anos 70 quando uma unidade desativada do exército foi ocupada por hippies. Em pouquíssimos anos o pessoal se avolumou, criou filosofia e regras de convivência e ficou impossível de tirá-los de lá sem ficar chato. O governo dinamarquês tentou intervir diversas vezes no andamento da “cidade livre” (freetown), como é conhecida. No começo dos anos 90 aplicou por lá um plano de “normalização” (adoooro) que extinguiu o uso formal de drogas pesadas. A comunidade acatou e hoje em dia há apenas duas regras “nada de drogas pesadas” e “nada de fotos”. Sim, é proibido tirar fotos de dentro de Christiania sem a autorização prévia da comunidade.

Gente, meu mundo caiu quando eu descobri esse lugar. Não conferi a visita guiada que eles oferecem duas vezes ao dia, mas pretendo fazê-lo. O mais maktub foi encontrar, no meio dessa comunidade alternativa, no meio da capital de um dos países escandinavos, um GAÚCHO do interior de TORRES. Eu sei, nem eu acreditei. Me lembro que se chamava Carlos, e que tem uma banca na feira principal de Christiania. Ele foi boa gente e eu passei parte da noite ao redor de um fogueira reunida com seus… não sei, compas?

Tinha um moço do Oriente-Médio que dizia que no país de origem “caçava talibã” (eu não perguntei detalhes pois sou pacifista); francesa que surgiu de um arranjo de piercings e dreads; um guri CRISTÃO do leste europeu me apareceu lá também e batemos um papo bem legal… e depois ainda me parecem duas irmãs de um povo nativo da Groelândia, que por sinal é colônia da Dinamarca até hoje. Essas duas, aliás, estavam bebadaças e começaram a falar em ESPANHOL sobre como anda o povo delas por lá, tive a leve impressão que não ia bem.

Antes de ir embora fui dar uma olhada num bar chamado… Woodstock. Existem vários dentro da Chris, assim como diferentes espaços de vivência,cafés, restaurantes e essas coisas; também há um lagão e, claro, casas onde as pessoas moram. Ah, eles tem moeda própria também, chama  Løn. O site oficial deles está em dinamarquês, mas dá pra ver alguma coisa em inglês também. Menos de mil pessoas moram lá (segundo o Wikipédia, 850) mas o lugar recebe cerca de UM MILHÃO de turistas por ano. Haja alternatividade…

 

copenhagen_entrance_christiania

Mural de uma das entradas (a esquerda tá ela)

10209_14_m

Pórtico da outra entrada entrada visto de dentro

Depois de chocar a sociedade ocidental nos últimos posts venho por meio desta informar que dia 6 de março passei o dia na capital da Dinamarca, Copenhagen. Sei que faz tempo que o ocorrido ocorreu, mas não é no Brazil que dizem que os últimos serão os primeiros? Assim é até útil o tempo decorrido que eu falo só dos fatos marcantes e não fico papagueando…

dscf40482

gatíssima

O região em que fica a cidade em que estou se chama Skane, e antes pertencia a Dinamarca. Por isso até hoje essa área guarda semelhanças com esse outro país loiro que a distiguem do resto da Suécia. O sotaque é diferente (isso me contaram porque meu sueco anda fraco), por exemplo. Se a gente conferir alguns monumentos históricos por aqui as vezes está: “iniativa de tal autoridade dinamarquesa”.

É pertinho mesmo. Se pegando o trem de Lund pra Malmö são cerca de 15 minutos, até Copenhage é uma hora. Mais fácil que ir pra Cassino, né? Enfim, passei lá o dia passando de um castelo pro jardim real seguinte… um exagero de realeza. O charmoso de lá é a lenda Pequena Sereia. Não tou falando do personagem da Disney, mas da lenda que inspirou a Ariel. Então, é uma lenda dinamarquesa. Na beira do rio da cidade tem uma estátua dela, que foi construída em 1913 inspirada na lenda escrita por Andersen, famossíssimo escritor por aqui. Qualquer um pode chegar junto pra tirar uma foto, passar um xaveco ou lhe colocar uma luvinha.

Um desses que me empurrou, pega!

Também vi a troca de guarda real, com aqueles soldadinhos vestidos com o chapéu absurdamente rídiculo. A troca acontece poucas vezes ao dia, então é meio que uma atrasão turística, havia uma multidão enquanto eu conferia. O que não houve disputa foi pra tirar foto do ladinho dos guardas, que não poderiam se mexer A PRINCÍPIO. Sei que fui me “achegando”, toda serelepe pra tirar uma foto coladinha no pobre jovem soldado e… ele subitamente ME EMPURRA, dizendo: “mínimo de um metro de distância”. Gente, nada digno; tomem cuidado com esses guardas estátuas-vivas (mais vivos que estátuas).

Ah, visitei Cristiania.

Copenhagen, noite, por Silvia Sebben

E então a noite chegou… o lugar vira um carnaval nórdico. A cidade se enche de luzes, sem qualquer motivo aparente me senti em Berlim ou em Tóquio: as pessoas passando em estilos super diferentes, de babar. As brazileiras ques estavam comigo foram embora e eu fui encontrar a Ebba que estava indo pra irmos numa festa de música eletrônica por lá. O lugar da festa era gigantesco e algumas meninas (poucas) pareciam saídas da capa da Playboy, com aqueles modelitos mínimos, apesar do frio. Acho esse tipo de festa legal porque todo mundo dança virado pro DJ, não pros seu próprio grupo, e rola muito mais interação entre o pessoal que nem se conhece. Até a Ebba se espantou porque conheceu uma menina super legal lá, se espantou porque segundo sua opinião sueca dinamarqueses não são assim tão dados. E rola a maior intriga mesmo entre esses países escandinavos: vivem nesse bafafá de os finlandeses isso, os noruegueses aquilo…

Na Suécia chove. Incrível como nunca vi uma chuva decente nesse lugar. Chuva de verdade em plena luz do dia? Jamais. Mas as vezes como agora acordo no meio da noite de tanto barulho que a chuva faz. Aqui ela é assim, esquiva. Nuna de dia, periodicamente a noite.

Todo mundo sabe o que o poeta uma vez disse? Que ele ouvia a chuva mas que lá fora o dia era tão radiante… a chuva do poeta era só interna, tadinho dele. Passava os dias a tentar encontrar a chuva, tão presente, nos dias cheios de sol. O poeta, o poeta morreu sozinho; cheio de admiradores.

Mas ainda é cedo, mal começamos a conhecer a vida.  Mesmo que nada consigamos fazer quando a saudade aperta. A inspiração fugida e a alma deserta… Só  também nos lembra a Alvorada quando chega. O sol colorido, tão lindo, tão lindo. Então deixemo-nos ir, precisamos andar. Vamos aí a procurar… rir pra não chorar. Mas devemos pensar: e depois?!

Gente, que emoção. Esperei toda minha vida de 2008 for esse momento. Sinceridade a flor da pele a parte, o caso é lindo de se viver mesmo. Sabe quando se tem uma admiração especial por uma coisa boba alheia? Assim coisa sem pequena que achamos que apenas nós nos interessamos por?

Bom, no meu caso são os posts de buscas dos meus blogues prediletos. Mas Carou, o que é isso? Ah, Brasil, consiste em um dos momentos abençoados que apenas a internet pode nos proporcionar. O dono de um blogue tem acesso a como as pessoas chegaram ao seu blogue, como eu já disse antes. O bafafá é que, além de ser possível verificar qual link a pessoal clicou pra chegar até aqui, também dá pra ver o que ela digitou no Google pra chegar até aqui.

Exatamente. IMAGINE o que essa galera alegre digita e acaba desaguando por esses blogues: a Lola já faz posts períodicos sobre as buscas, e inclusive elenca o possível grau de satisfação das almas que por lá desembarcam; já a Fernanda não tem essa preocupação, mas mesmo assim manda bem (ou melhor, o Google manda cada um pro blogue dela…).

 

Então tentem se colocar no meu lugar. Imaginem, imaginem o que não é constatar que há singelas almas trazidas pelo Google pra cá. Na seqüência, uma amostra amorosa do que as pessoas andam pesquisando por aí:

frases insanas

Começou bem, mas depende do cada um. Pra mim poderia ser “adoro me depilar com cera”. Cruzes.

oi, eu tenho dinheiro

Que delícia, querido(a), já estávamos precisando. Já ouviu falar de “redistribuição de renda”? Então, tem gente que acharia essa uma frase insana.

amigos vou sair do orkut

Que pena, vamos sentir sua falta. Mas no fim das contas te apoio, colega. Se joga, vamos pular, ser feliz.

modelos de sonhos recheados

Que eu conheça: há os com doce-de-leite, com creme de baunilha, de goiabada e de chocolate. Mas desculpa, essa não é a especialidade do blogue aqui.

oque dizer na hora de dar ideia

Então. A PRINCÍPIO, ao “dar uma idéia” já está se dizendo algo. Então nem te preocupa (ou “esquenta as guampas”, como se diz na Barra do Ribeiro). Escolhe ou uma das duas ações que já é o bastante.

 

Emocionei-me, enfim. Ah, o que tudo isso tem a ver com a Suécia? Nada.

Era uma vez um encontro feminista que ocorreria em Viena, Aústria. Era era lindo, alto, de loiros azuis. Um encontro autônomo, poético, o príncipe encantado. Ele era tão bom que oferecia alimentação e hospedagem pra quem chegasse se fora. E a “taxa de participação” nem era compulsória. Era o que todas as mães queriam para suas filhas.

Um dia, uma garota de pele bronzeada lhe prometeu fidelidade. Disse: por ti vou até o fim do mundo! Pago com a vida, ou se necessário mato tudo! Mas a pequena, tão crente, não sabia que era pra isso necessário um Visa. Ah, que desalento, tinha passaporte mas e pruma viagem de ônibus não tinha dinheiro…

Ela de nada sabia, quanta alegria perdida. Fica pra trás o encontro, sem nem um ombro pra chorar de outro.

Luto. O Brasil está de luto. Todos sabem o porquê. Há décadas não há atualização alguma no blogue. As pessoas, as pessoas não são mais as mesmas. Sofrem. Em seu íntimo, algo está faltando. Final da tarde, horário de pico, cotidiano. Mas mudou alguma coisa. O Brasil, o Brasil já não é mais o mesmo. Bandeira a meio mastro, humor lá embaixo

Que triste. Que triste são as coisas consideradas sem ênfase.

Arquivos