Nos dias atuais, o ser humano completa o seu ritual de passagem da sua aborrecência para sua vida adulta, entre os seus dezessete ano até seus vinte cinco anos. E se este ritual de passagem agregar um tempero especial? Mudanças profundas e insanas?!
Imaginem um garoto nos seus dezenove anos, por algum motivo ser obrigado a mudar de uma capital para uma cidade longínqua, em torno de 100 km de distância? Ser afastado dos seus amigos leais, de sua namorada se tiver, enfim, do seu convívio seguro.
Particularmente sei bem como funciona esse quadro, claro que tens suas variantes, mas não muda muito.
Precisamente aconteceu no dia cinco de Fevereiro de 2005, um pouco antes do tão aclamado carnaval ¬¬. Estava eu numa manhã de sol no centro de Porto Alegre, saindo da minha ultima prova do curso técnico de Informática quando me dei conta e falei pra mim mesmo.
– Ultimo dia… Ultimo dia.

Depois de processar o meu check-in e de seis horas de viagem na companhia aérea mais barata do Brasil, chego a Ribeirão Preto às 00:00, mas tem algo errado não? Ribeirão Preto!? 0.o Sim, o aeroporto de Franca é só para aviões de pequeno porte ¬¬.
Entro no carro da família e me questiono.
– Quanto tempo levará para chegar a Franca?
Após uma hora de estrada tenho a resposta: p. Ao entrar na casa, me sinto um intruso, acostumado com a típica vida de um guri de apartamento, não lembrava mais como era morar em uma casa, que por sinal uma senhora casa: Três suítes; dois lavabos; uma edícula; um escritório; varanda e garagem para seis carros.
Lembro como se fosse hoje, a primeira coisa que fiz foi abrir a geladeira, não era pra menos, uma hora da manhã e ainda não tinha jantado. Ao abrir a porta da geladeira me veio algo na cabeça.
– Questiono para os moradores da casa se poderia mexer na geladeira?

Bah, infelizmente fiquei com essa sensação por semanas hehe. Dia seguinte fui à feira compra legumes e verduras, o sotaque típico de uma região paulista e ao mesmo tempo mineira, me dava náuseas, a forma de falar lentamente e de maneira cantada me assombrou por semanas : (.
Sempre quando há mudanças profundas culturais, é inevitável, mesmo tentado resistir, sofremos transformações sociais e culturais, é inconsciente e não é a toa que hoje em dia, eu falo “trem”, amanhã vai ser a Carou fazendo top les nas praias gaúchas, por influencias da cultura Européia hehe.

 

 Por B. C. R. Sesterheim

Anúncios